Artigos

 
“THE FORTIES IN PICTURES” (Os anos 40 em fotos)
Autor(a): José Raimundo Gomes da Cruz
Procurador de Justiça de São Paulo aposentado

“News of Germany‟s unconditional surrender was broadcast on German radio at lunchtime on May 7, 1945. Across Europe those that survived almost six years of slaughter took to the streets in joy and relief. Many went to their place of worship to give thanks to God. Others wanted time alone, to meditate on what, and who they had lost. A few looked to the future, to the continuing war against Japan and beyond, wondering if politicians would keep the promises they had made about „a better world to come‟.” (ob. cit., p. 150, grifo meu) Antes de qualquer outro comentário, minha tentativa de traduzir o texto em epígrafe: “Notícias da rendição incondicional da Alemanha foram transmitidas por rádio na hora do almoço de 7 de maio de 1945. Através da Europa aqueles que sobreviveram por quase seis anos de chacina encheram as ruas em alegria e alívio. Muitos foram para seu lugar de oração para dar graças a Deus. Outros queriam tempo de solidão, para meditar sobre o que e sobre quem eles tinham perdido. Alguns contemplaram o futuro, a continuação da guerra contra o Japão e além imaginando se os políticos manteriam as promessas feitas sobre „o melhor mundo a vir‟.” Em 1/7/15, a APMP divulgou meu poema “Times Square, anos 40”. Já se superara o momento lembrado em epígrafe, da continuação da guerra contra o Japão, pois a continuação do texto citado em epígrafe já acrescenta o Dia da Vitória três meses depois, com a comemoração mundial para os vitoriosos. Claro que a página 155 exibe o grande momento de Times Square, anos 40. Não faltam fotos do imediato pós-guerra: manifestações populares dos “Dias da Vitória”, com destaque para a rendição japonesa a bordo do USS Missouri, na Bahia de Tóquio. Desde meu livro Espinosa, Anos 40 – Depoimento de um menino curioso (São Paulo : 1997), insisto em que “o ano inicial não é zero, mas um, o ano 10, e qualquer múltiplo deste, pertence à década que termina e não à que começa” (p. 188). O livro ora comentado começa em 1940 e só vai até 1949. No anúncio do conteúdo deste, alguns destaques: 1941, O Ataque a Pearl Harbor; 1942, Stalingrado; 1944, o Dia D; 1945, Dias da Vitória; 1946, a Divisão da Índia; 1948, As Olimpíadas de Londres Já havia guerra desde 1939. Em 1940, as fotos mostram tropas concentradas em Dunquerque, França; os refugiados belgas abrigando-se dos ataques aéreos da Luftwaffe, o avanço dos alemães e a ocupação de Paris por estes. Duas pausas, no período: no mundo da moda a pintura de linha na própria perna feminina, para dar a impressão de que a mulher estava usando meias refinadas. Também algumas empregadas de loja de moda recolhem chapéus femininos e cacos de vidros de vitrina danificada por bomba. Crianças com rótulos de identificação, quando removidas para outras localidades, para evitar bombardeios em 2 Londres. Pôster de Churchill recomendando “Deserve Victory” (Mereça a Vitória), através de investimento. Empregados londrinos de escritórios se reúnem para sessões de cinema móvel de rua, com notícias da época, especialmente com o objetivo de levantar dinheiro. A “Batalha da Inglaterra” durou de junho a outubro de 1940, com várias fotos. Filmes com fotos de 1940: “As Vinhas da Ira”, de John Ford, e “O Grande Ditador” , de Charlie Chaplin. 1941 começa com De Gaulle e a Resistência Francesa. Segue-se a Carta do Atlântico, resultante do encontro de Roosevel e Churchill. Fotos das mulheres durante a guerra. Ainda em 1941, oito fotos do Ataque a Pearl Harbor. Numa delas a manchete da edição extra do jornal, nas mãos de operário: US AT WAR! (EUA EM GUERRA!) Filmes de 1941 lembrados: Cidadão Kane, com Orson Welles, e O Falcão Maltês, com Humphrey Bogart. 1942 começa com a lembrança do desastre dos aliados na Ilha de Corregidor. Duas batalhas do mesmo ano: a do Coral Sea (8 de maio) e a de Midway (4 de junho). Seguem-se fotos de Dieppe Raid, El Alamein e porto de Toulon. Seguem-se fotos de Dame Myra Mess ao piano, no National Gallery, Londres, e Duke Ellington tocando piano, na companhia de Fats Walter e da vocalista Joya Sherrill, em Hartford, Connecticut. Depois, a dança: Leon James e Willa Mae Rick, com “Lindy Hop”; Fred Astaire e Rita Hayworth, no filme “You Were Never Lovelier”; Ivy Benson e Vera Lynn. A invasão de Stalingrad pelas tropas nazistas apresenta páginas de 1942 e 1943, sendo deste último ano a fotos da batalha de Guadalcanal, o mesmo ocorrendo com a repressão nazista do gueto de Varsóvia. Fotos de tanques aliados em Palermo assim como da evasão dos napolitanos, para evitar armadilhas eletrônicas germânicas. Quatro fotos dos líderes aliados, entre as quais a de Casablanca. Convém, sempre, lembrar, que o filme Casablanca, produzido em 1942, teve sua estreia programada para coincidir com o encontro de 1943 em Casablanca. Diversos astros de Hollywood deixaram os estúdios e lutaram, com foto de Clark Gable, com uniforme de campanha em avião da Força Aérea dos EUA, e do major James Stewart, recebendo condecoração por ação em combate. Seguem-se fotos de Joe Louis, de uniforme visitando as tropas em Fort Devons, enquanto a comediante Martha Raye o fazia em show em Constantine, Argélia; Bete Davis servia bolo na cantina dos militares em N. York, enquanto Marlene Dietrich dançava com militar na cantina de Hollywood. Foto de página dupla em 1944: com a limpeza das tropas germânicas, a página dupla com a marcha dos aliados diante do monumento a Vitor Emmanuel II na Praça Veneza, em Roma, em 4 de junho. 3 Em seguida, fotos da perseguição aos simpatizantes fascistas. Depois, fotos do Dia-D, em 6/6/44 (pp. 108 a 113). Também fotos da resistência francesa agindo, após a liberação de Paris. Execuções de um lado e de outro. Retirada das tropas invasoras, com franco-atiradores nazistas. Foto dos parisienses aplaudindo a chegada dos tanques aliados. Primeiras seis mulheres das forças armadas dos EUA entram em Paris. Quatro fotos de moda parisiense. A Resistência Grega se compunha de vários grupos irregulares – os Andastes – cuja foto inclui mulheres. A resistência iugoslava aos germânicos era intensa, com foto de Tito de uniforme, ao telefone. Foto do filme Henrique V, com Laurence Olivier, também diretor, com investimento parcial do Governo britânico, por seu tema heróico. Para não variar, foto e referência a Mae West, estrelando Caterina era grande, em N. York, com a incorrigível irreverência da atriz. 1945: os líderes na Conferência de Yalta e o caixão funerário com o corpo de Roosevelt. Fotos das mulheres que “confraternizaram” com os invasores nazistas, durante a ocupação do país respectivo. Os horrores dos campos de concentração. Fotos dos horrores relativos a Mussolini e sua amante Clara Petacci, cuja fuga foi impedida pelos partisani. A foto mais esquisita: ao fundo as torres da Catedral de Colona, cenário de destruição e em primeiro plano certa mulher jovem bem vestida, sentada sobre sua bagagem de ótima aparência, aparecendo o cãozinho de estimação, parecendo esperar, no mínimo, carro com motorista. Nada de perder a pose. Legenda da foto: “A German woman takes a break from her search for a new home.” (Tento traduzir: “Mulher alemã faz uma pausa na sua busca de nova casa”). O intenso bombardeio aliado da Catedral não destruiu as torres por milagre. Fotos dos refugiados de Berlim. Retorno ao início deste texto, com os Dias da Vitória, com destaque da já lembrada foto do marinheiro beijando a enfermeira em Times Square. Em 1945, fotos de Marlene Dietrich e Bob Hope, confraternizando com pessoas em uniforme militar. Em poses de trabalho, Bogart e Bacall, além de Jean Renoir. Em 1946, fotos do mercado negro, do scavenging (busca no lixo acumulado das ruas). E as crianças sem lar: foto do Cardeal Theodor Innitzer, participando de festa para tais crianças na Áustria. “O colapso do Império Japonês no leste criou o caos em partes da China. Chiang Kai Shek tentou manter o poder nas cidades do leste chinês; nas outras partes os comunistas se achavam no comando”. 4 Dr. Marcel Petiot, que recebia dinheiro dos judeus em Paris, mas os eliminava ficando com seus bens, acabou condenado por 24 homicídios, depois da guerra. Novo capítulo do pós-guerra: os julgamentos de Nuremberg, com fotos em grupo dos chefes militares nazistas, com os corpos de Jodl e Goering. Volta o cinema, com o filme La Belle et la Bête, com os nomes de Jean Marais, Jean Cocteau, Josette Day e Michel Auclair e o filme Odd Man Out, de Carol Reed, com James Mason. Ainda em 1946, nove fotos sobre a separação ou divisão da Índia (Indian Partition), com destaque para Gandhi (p. 189). 1947 começa com frio de grande intensidade, ilustrada por fotos de entregador de leite e de um guarda de trânsito sobre uma tábua de madeira, em Londres, sem falar em grandes montes de neves no trânsito, mesmo depois de meses. Ainda em 1947, antes da criação do Estado de Israel, fotos de viagens de judeus à Palestina. Em 1947, novas fotos da moda em Paris. Fotos de Gary Cooper, Robert Taylor, Jack L. Warner, Bertholt Brecht, Danny Kaye, June Havoc e Humphrey Bogart nas investigações da Atividades Anti-Americanas, também conhecidas como campanha do macartismo. A aviação é lembrada com foto de Howard Hughes e do Major Charles E. Yeager. Casamento da então princesa Elizabeth com Philip Mountbatten. Jackie Robinson, primeiro afro-americano no baseball e Joe Louis nocauteado por Joe Walcott. Aquele recuperou-se para manter o título de campeão mundial dos pesos pesados. 1948 começa com a morte de Mahatma Gandhi a tiros disparados por extremista do seu país. Em fevereiro de 1948, golpe comunista na Checoslováquia, como o novo Premier Klement Gottwald falando ao povo da sacada do Kinsky Palace, em Praga. França, Inglaterra e EUA protestaram. De 1948 também é o novo Estado de Israel, com manifestações de rua. Jogos Olímpicos de Londres, com destaque dos nomes e fotos do ouro de Emil Zatopek e Gaston Reiff da Bélgica, além de outros dois vencedores. No final dos anos 40, Paris era o centro da literatura e da filosofia mundiais, com destaque dos nomes e fotos de Suzanne Bellot, Jean Cocteau, Jean-Paul Sartre, Colette, André Gide, Madeleine Renaud e Jean-Louis Barrault. Mais Picasso, Alberto Giacometti, Alexander 5 Calder e Jackson Pollock, os dois últimos norte-americanos. Destaque para o famoso Reletório Kinsey. 1949 chega com problemas do império britânico na Ásia: Malásia, Indonésia e Mao Tse-Tung, proclamando a criação da República Popular da China. Também foi proclamada a República Federal da Alemanha. Nos meios de transporte, surge o pequeno Volkwagen, na Alemanha e o primeiro avião a jato de passageiros – o De Haviland Comet. Não convém esquecer o Ford conversível do mesmo ano de 1949, assim como o primeiro comercial a cores da TV, sem omitir o combinado radio-gramofone-e-TV. Seguem-se trajes esportivos do tênis. Nos palcos, a Morte do Caixeiro Viajante, peça ligada aos nomes de Clifford Odets, William Inge, Arthur Miller e Tennessee Williams, enquanto Uma Rua chamada Desejo, com Bonar Colleano e Vivien Leith. Nas telas, o filme On the Town, relacionado aos nomes de Gene Kelly, Stanley Donen, Leonard Bernstein e Vera Ellen. Aparecem os drive-ins. Enfim, ainda em 1949, o filme O Terceiro Homem, dirigido por Carol Reed, com Orson Welles e Joseph Cotten, achando-se na penúltima página, n. 255, foto da personagem de Welles, nas ruas de Vienna. A última página – 256 – traz nomes citados nos textos, não incluindo, por tal motivo, o nome do ator de cinema Audie Murphy, o mais condecorado herói da segunda guerra mundial. Há mais de dois anos escrevi texto ainda inédito sob o título “Nomes famosos esquecidos em obras sobre o cinema: o caso especial do ator e herói de guerra Audie Murphie”. Não insistirei no critério da minha preferência para a contagem observando que o início sempre deveria ser um, pois não há o zero, que só virá em décimo (vigésimo etc.) lugar. A propósito, na minha frente acha-se o volume intitulado The fifties in pictures, também de James Lescott (Londres : Parragon, 2007), que se inicia com o ano de 1950. Pois também nele não se inclui o nome de Audie Murphie (por coincidência, o índice fica na p. 256) Mas o esquecido Audie Murphie acha-se incluído, com destaque, no meu texto recémcitado dos nomes famosos esquecidos em obras sobre cinema. Ou que incluam a visão deste em seu conteúdo.



Fonte: Autor
11/9/2017

Versão para impressão

 

 

ACADEMUS.PRO.BR - E-mail: academus@academus.pro.br
© Copyright 2001-2017 Academus.pro.br - Todos os direitos reservados